Avanços científicos e tecnológicosInteligência artificialMachine learningNotícias

De que maneira os modelos globais suportam a Internet das Coisas?

Se prevê que a economia de IoT alcance US$ 12,5 trilhões até 2030, segundo um relatório de 2022 do analista McKinsey, isso só será possível se todos os elementos da rede forem projetados com padrões globais de engenharia. Sem padrões, não haveria nenhuma maneira de assegurar que os diferentes dispositivos construídos por empresas separadas, localizadas em regiões distantes, funcionassem em conjunto harmoniosamente.

Nordic está há décadas defendendo entusiasticamente os padrões sem fio. Desde o início, a empresa percebeu que a conectividade sem fio de baixa potência poderia gerar grandes lucros, porém, também entendeu que se todos trabalharem em conformidade com os padrões, o potencial seria ainda maior. A adoção rápida da tecnologia sem fio é frequentemente confirmada quando os consumidores percebem que ela é internacionalmente apoiada e existe um ecossistema equilibrado de vendedores.

Ademais, a apropriação de normas dá aos compradores a certeza de que a tecnologia será bem-sucedida, e eles não são submetidos às vontades de um único vendedor. Elas também certificam que um equipamento compatível com uma específica norma tenha uma interação adequada com outros aparelhos fabricados com o mesmo padrão por uma grande diversidade de fornecedores.

Chegar a um acordo entre todos os participantes foi um desafio.

Henrique I, filho de William, o Conquistador, foi um prominente monarca no século XII conhecido por seu talento para a administração. Uma de suas primeiras realizações foi a criação de um padrão, já que na época o “jarda”, medida de distância similar ao metro, era inconsistente. O rei decretou então que esta medida seria a distância entre o nariz e o polegar de seu braço estendido, o que, apesar de arbitrário, foi uma definição a que todos podiam seguir.

Você vai gostar:   A ASUS GeForce RTX 4090 ROG MATRIX GPU estabeleceu um novo marco mundial no 3DMark Fire Strike Extreme.

Os padrões são, essencialmente, um acordo entre especialistas em uma determinada área, estabelecendo a melhor forma de medir, definir, testar ou alcançar algo. Estas diretrizes e regulamentos são oficialmente documentados para que todos saibam como implementar algo de forma consistente. Na indústria, se todos os envolvidos seguirem os padrões, tudo o que é fabricado funcionará perfeitamente em conjunto, independentemente de quem o construiu.

Qual é o benefício de ter padrões?

Atualmente, nós entendemos facilmente os padrões, mas isto não sempre foi assim. Um representante da ISO (Organização Internacional para a Normalização) afirma: “Quando as coisas não funcionam como deveriam, geralmente é porque os padrões estão faltando”. Esta organização, que estabelece padrões globais, pode se relacionar com a história dos caminhos-de-ferro no Reino Unido. Dois engenheiros, George Stephenson e Isambard Kingdom Brunel, lutaram para definir seus próprios calibres (distância entre trilhos) na rede nacional.

Stephenson escolheu 4ft 8,5in (1,44 metros) como o seu tamanho de bitola, com base na largura do eixo dos carrinhos puxados a cavalo da época. Por outro lado, Brunel optou por 7ft 0,25in (2,14 metros), alegando que isso permitiria viagens mais suaves e rápidas. Como resultado, os passageiros e o frete tinham que trocar de trem sempre que esses dois medidores se encontravam. Em 1892, as autoridades ferroviárias do Reino Unido adotaram o padrão de bitola do Stephenson e demoliram os trilhos de Brunel. Esta foi uma boa decisão, pois em 1914, cerca de 32.000 quilômetros de faixa de 1,44 metros eram usados ​​diariamente por 120 companhias ferroviárias diferentes.

A ISO realizou recentemente uma avaliação do efeito das diretrizes e chegou a três grandes conclusões:

Você vai gostar:   Um modder conseguiu fazer com que um Nintendo Switch funcionasse com jogos de computador, mostrando o desempenho com overclocking acentuado.

As regras tornam mais rápidas as tarefas específicas requeridas nas áreas de negócios, diminuindo o desperdício de materiais e dinheiro, enquanto aumentam a eficiência.

Eles serviram como base para a inovação de processos comerciais, permitindo que as empresas aumentem a rede de seus fornecedores ou apresentem e gerem novos produtos com eficácia. Em outros casos, as regras ajudaram a reduzir o risco para as empresas ao introduzir novos produtos nos mercados nacionais.

As diretrizes têm sido usadas como referência para o crescimento de novos produtos, abrangendo novos mercados (tanto internos quanto de exportação), apoiando a ampliação do setor de produtos e até gerando novos mercados.

Uma de minhas competências é ordenar objetos.

As organizações regulares vêm em diversos tamanhos e formatos. A ISO, por exemplo, foi criada em 1947 com a intenção de responder a uma questão básica: “Qual é o melhor método para fazê-lo?”. A partir de coisas básicas como pesos e medidas, a instituição atualmente gerencia mais de 24.750 normas que se aplicam a todas as áreas da vida cotidiana.

Organismos no setor de tecnologia wireless, como o Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE), desenvolvem, mantêm e controlam diretrizes que descrevem exatamente como a tecnologia wireless deve ser criada. O IEEE, por exemplo, cria uma norma que diz respeito à maneira como a rede local sem fio (WLAN, também conhecida como Wi-Fi) controle de acesso à mídia e camada física deve ser estruturada. O padrão WLAN, IEEE 802.11, engloba um conjunto de regulamentos, incluindo 802.11ax (Wi-Fi 6), e é parte do IEEE 802, um conjunto de normas de rede local (LAN).

Um outro exemplo de uma organização que desenvolve padrões suportando o setor de IoT sem fio é o 3o Projeto de Parceria de Geração (3GPP). O grupo foi formado para estabelecer padrões para as redes 3G e atualmente tem estado delineando padrões 5G e 6G, incluindo aqueles para a especificação de IoT celular, como LTE-M e NB-IoT, cuja fundação se baseia em redes celulares como base para a Internet das Coisas.

Você vai gostar:   Finalmente, a AMD liberou os drivers Ryzen 7040 "Phoenix" iGPU, que oferecem suporte aprimorado para a Radeon 700M "RDNA 3".

Desde o século XII até o século XXI, as normas asseguraram que as melhores mentes de engenharia trabalhassem em direção a um mesmo propósito, mesmo que estivessem empregadas por empresas concorrentes e vivessem em diferentes países. Isto permitiu que a tecnologia avançasse rapidamente, garantindo que os produtos finais sejam seguros, fiáveis e interoperáveis. Seguir uma abordagem alternativa poderia levar à desagregação, à falta de inovação e ao estancamento do progresso.

Existem vários editoriais no nosso site irmão, Electronic Specifier! Você também pode participar da discussão comentando abaixo ou indo até a nossa página do LinkedIn.

Related Articles

Back to top button