Avanços científicos e tecnológicosInteligência artificialMachine learningNotíciasPesquisas e descobertas recentes

Um estudo mais recente indica que a IoT deverá ser “projetada para conexão”.

Transforma Insights lançou seu livro de posição tópica de transição gratuito, financiado pela Eseye, intitulado ‘Connected-by-Design: Otimizando a Conectividade Dispositivo-para-Nuvem’. O relatório examina o progresso no desenvolvimento de implantações de IoT, mudando de uma abordagem padronizada baseada em tecnologias não projetadas para atender às necessidades da IoT, para uma abordagem ‘Connected-by-Design’, considerando os requisitos específicos de cada caso de uso da IoT, a complexidade da combinação de componentes e como todos os elementos podem ser otimizados, especialmente a conectividade.

Paráfrase: Os resultados mais importantes do relatório são:

A grande variedade e complexidade da IoT requerem uma abordagem cuidadosa. Cada caso de uso envolvido na IoT tem suas próprias necessidades específicas de implementação, como acesso à energia, requisitos de largura de banda e latência, volume de dados, frequência de comunicação, resistência, up-time, limitações de forma e custo, e muitos outros. Ao mesmo tempo, é um ambiente de desenvolvimento altamente complexo, contendo uma “pilha completa” de sensores, sistemas operacionais embarcados, redes, gerenciamento de dados de aplicativos, integração de processos de negócios, segurança de ponta a ponta e computação, todos gerenciados em dispositivos, na borda e na nuvem.

A otimização entre os elementos da pilha cheia de IoT é necessária. O uso de tecnologias recentes projetadas para implantações com limitações de IoT é crucial para atender às necessidades da aplicação. Não é suficiente usar componentes separadamente otimizados para IoT, os desenvolvedores devem trabalhar para garantir que eles sejam otimizados em conjunto.

A conectividade é a chave para o sucesso da IoT. Devido à sua natureza distribuída, é necessário estabelecer um elo fundamental entre os dispositivos para que eles se comuniquem. Por essa razão, os desenvolvedores devem optar por um design que leve em consideração as características de conectividade para arquitetar corretamente sua aplicação IoT. Esta abordagem “Connected-by-Design” é essencial para o sucesso da IoT.

Você vai gostar:   Movement Interactive oferece acordos de subcontratação para veteranos nas áreas de controle remoto de pacientes.

A melhor abordagem para a criação de um sistema de IoT é aplicando os princípios de “Conectado por Design”. Como os casos de uso de IoT são únicos, a otimização cruzada é requerida e a conectividade é essencial, a construção destas soluções deve levar em conta os requisitos de conectividade em cada etapa de desenvolvimento, sem serem adiadas para mais tarde.

Matt Hatton comentou sobre o relatório, afirmando que o conceito de ‘Secure-by-Design’ é familiar a muitos, pois considerações de segurança estão no centro do design de um produto, impactando o processo de desenvolvimento inteiro. É muito mais eficiente do que se tentar adicionar segurança ao produto depois que ele foi construído. O mesmo é aplicado na IoT no que diz respeito a conectividade, que é essencial para a solução e liga os elementos da pilha, mas também tem muitos riscos. Isso significa que a conectividade precisa estar presente durante o processo de design, por isso ‘Connected-by-Design’.

Larry Socher da Eseye, SVP of Strategy & Product, diz que “Mais do que outras aplicações de TI, a construção de soluções de IoT bem sucedidas requer uma abordagem personalizada. Cada dispositivo e caso de uso é único, e cada implantação vem com suas próprias restrições e idiossincrasias. Enquanto a incorporação de inteligência de conectividade à frente aumenta a flexibilidade e a resiliência e ajuda a uma implementação à prova do futuro, idealmente ‘conectado-a-projeto’ usa uma abordagem holística na qual todos os componentes da solução são otimizados cruz. Um grande exemplo disso é selecionar opções de conectividade de baixa potência, como NB-IoT e LTE-M para maximizar a vida útil da bateria para um dispositivo que pode estar no campo por 10 a 15 anos. ”

Você vai gostar:   Uma CPU AMD Ryzen 9 7945HX, com tecnologia Zen 4, apresenta 128 MB de memória 3D V-Cache para computadores portáteis destinados a entusiastas.

O Estudo de Orientação analisa todos os componentes da pilha IoT e a abordagem “Conectado por Design” para enfrentar a mesma.

Você pode conferir outros editoriais no nosso irmão site, o Electronic Specifier! Além disso, você também pode se juntar à conversa comentando aqui embaixo ou acessando a nossa página do LinkedIn.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo